Lista de você 

Coisas que eu adoro em você:

  • A cor de girassol que seu cabelo tem;
  • O jeito que sua pele se veste em vermelho quando fica sem graça;
  • A sua barba de cantor dos anos 90;
  • O quanto entra nas minhas loucuras românticas e promete serenatas de amor;
  • O seu lifestyle natureba que pinta de verde metade da sua conta do Instagram;
  • O jeito que me aconselha e se preocupa, mostrando seu lado protetor;
  •  Seu eterno “hm…” de quando está pensando e até o silêncio que faz quando quer me deixar falar e falar;
  • O quanto minha mão parece pequena dentro da sua e seu abraço demonstra ser acolhedor;
  • Seu sorriso contido de quem quer agradar mas fica tímido;
  •  O “eu quero fazer dar certo”, “estou do seu lado” e “quando essa tempestade passar…”;
  • Seu jeito “mais sentimental que eu?” – e também o quanto me faz sorrir só de pensar nisso;
  • Todas as coisas que eu ainda não conheço e até aquelas que eu posso vir a não gostar;
  • A maneira que faz eu me sentir especial só de pôr os olhos em mim e
  •  Como todas as listas parecem bobas e injustas a quem você é de verdade.

Sorte minha ter te encontrado bem no meio desse vendaval.

Jade Goulart

Calma, tudo bem ficar triste

Alô, alô!

Como vocês estão, gente? Então, eu não estou nada bem, hoje aconteceram algumas coisas que me deixaram para baixo e eu resolvi entrar no nosso cantinho para tentar dar a volta por cima e conversar com vocês que também estão na bad que é normal ficarmos tristes.

Final de período é aquela coisa: provas, estresse e a gente meio que deixa a saúde mental de lado, algumas horas a menos de sono “não vão fazer a menor diferença” e quando vemos haja briga com as amigas, namorado (a) e/ou família, sem contar aquele descuido que a gente dá pra nós mesmos, que faz falta e muita.

Foi meio nesse enredo que eu parei de prestar tanta atenção nas coisas que eu gostava. Sabe quando temos tantas responsabilidades ou queremos agradar outras pessoas que paramos de visar o que NÓS DESEJAMOS?  Pois é, foi aqui que me perdi – ou comecei a me perder – de mim mesma, sorte que agora estou notando e voltando a dar o devido amor a quem merece: eu.

Às vezes a ânsia é tanta para fazer tudo dar certo que não notamos que estamos nos deixando de lado por uma situação ou pessoa, mas é normal ficar triste, digo e repito, só caindo que se cresce e se aprende com o erro.

Porém a gente tenta dar a famosa volta por cima, não é? Então aqui estou eu com um conselho que talvez vocês gostem (ou não): uma coisa que aprendi com uma amiga é que ficamos confiantes quando estamos de bem, então, tire um tempo para se amar um pouquinho até virar hábito, repita qualidades no espelho que você tem (essas muito mais importantes do que o exterior, o que há no seu íntimo), se relacione com pessoas boas (às vezes murchamos por estar na companhia de gente tóxica), se aventure com locais novos, pessoas novas, músicas novas e faça algum gesto por si.

Vocês sabem: tudo é um processo. E eu prometo que vou fazer o possível para passar por esse marasmo e espero que vocês também; nada como um dia após o outro!

Até uma próxima,

Jade Goulart

 

Maio, tatuagens e dermografismo.

Alô, alô!

Como vocês estão, gente? Uma das coisas que fiz esse mês foi a tão sonhada tatuagem, vocês lembram que bem lá no iníciozinho do blog eu fiz um post sobre isso (aqui)? Já tem um tempinho que queria escrever sobre a minha experiência mas como já comentado – infelizmente – as coisas estão meio corridas e só consegui “parar” agora.

Eu sempre sonhei e passei por diversas fases com relação a esse assunto, de borboletas, tribais, totens, tudo mesmo, até parar nos girassóis e alguns desenhos que mais para frente terei o prazer de compartilhar por aqui, mas eu tinha um impedimento: minha pele sempre foi muito sensível, só quando atingi a maioridade busquei a fundo e soube que tinha (ainda tenho) dermografismo. E o que é isso?

“O dermografismo é um tipo de alergia na pele, bastante comum na população, caracterizada pelo inchaço, coceira e aparecimento de riscos vermelhos com relevo na pele. Sempre que há alguma pressão na pele, com unha ou caneta, por exemplo.”  Fonte: Tua Saúde

O meu é leve, os “inchaços” vem e passam bem rápido, em questão de minutos, e diferente de quem tem em um nível maior, não coça, mas é bastante importante ir em um dermatologista para saber se é recomendável ou não fazer a tatuagem. Quando eu fui, o meu passou alguns remédios, a pomada ideal para a minha pele, e disse que tem tratamento especializado caso eu queira acabar com os inchacinhos na minha vida, valeu à pena, saí satisfeita hahaha Um beijo dermo lindo!

A intenção inicial foi fazer um desenho próprio, mas de tanto buscar no Pinterest achei um de uma tatuadora que não me deixou escolhas, lembro bem que na época fiquei bastante dividida, mas optei por esse e não me arrependo em nada, talvez mais para frente, com algumas bagatelas a mais eu faça o meu hahaha

ff0e2165ade2f60daf5d62794193183b

Eu fiz em um estúdio perto do meu trabalho, mesmo desenho e área, e saiu 150 golpinhos, foi bem barato porque (para a minha sorte) eles estavam fazendo aniversário e uma promoção ma-ra-vi-lho-sa!  Na hora doeu e minha pele reagiu, ficou em relevo por alguns dias (é gente, quem tem dermografismo sofre com esse mal) mas depois passou e ficou como qualquer outra tatuagem, descascou e coçou mas agora tá em perfeito estado.

18555894_1141014526010559_7837184141754117324_nNo gramado da UFRJ toda feliz.

Eu espero fazer mais algumas daqui em diante, sou apaixonada de carteirinha e por mim, meu corpo seria todo desenhado hahaha Bom, espero que vocês tenham gostado do post assim como eu! Vocês já fizeram alguma tatuagem ou têm vontade?

Até uma próxima,

Jade Goulart

Papo Sério: Gorda

Alô, alô!

Ontem de noite, depois de fazer um pouco de exercício, resolvi pesquisar a palavra “gorda”. Fiz isso porque há um tempo, coisa não muito distante, minha relação com meu próprio corpo não era uma das melhores e não sei, acho que queria ver resultados de meninas com peso x mostrando como é se amar. Mas não vi.

O que eu vi me deu tristeza, quando você procura por “gorda” no Tumblr vê uma ou outra mensagem de meninas se empoderando enquanto o restante são queixas. Eu senti muita falta de meninas que passaram por situações parecidas com a que eu passei e que hoje servem de exemplo para outras.

Mas pelo que você passou? Passei por uma fase da minha vida em que eu me sentia insuficiente por não gostar de quem eu era, começou com meu corpo, o ganho de uns quilinhos a mais, depois foi para o meu cabelo, naturalmente enrolado, e quando dei por mim, não existia mais confiança e eu tinha vergonha de me achar bonita, ver qualidades em quem eu era, até sair de casa.

E para o que veio depois, para o que eu me tornei, para o que eu sou agora, não tem fórmula secreta, não tem esquema ou passo a passo, cada pessoa acaba achando seu amor próprio em coisas que trazem satisfação pessoal e comigo, foi quando eu comecei a caminhar e entrei na faculdade. Mas para outras pessoas pode ser pintar, escrever, fazer uma luta, conversar, enfim, um infinito de possibilidades.

Eu gosto de pensar que para cada situação sempre existe um recomeço, um novo ponto de partida. Mas afinal, ser gorda é ruim? Um dia vi uma youtuber fazendo essa mesma pergunta e a resposta é transparente: não, não é quando se tem saúde. Hoje em dia mesmo ganhando alguns quilos e com mais curvas eu me sinto autossuficiente para sair do jeito que eu bem entender; gostar de si é consequência de uma história que tem de tudo para ser linda.

Além do quê, gorda é um adjetivo, assim como magra. Um adjetivo não define um complexo que compõe uma pessoa e se é para definir que sejam por adjetivos como inteligente, engraçado, carismático, altruísta, gentil, amável, o que melhor se encaixar.

Até uma próxima,

Jade Goulart

Livros Wattpad: Trilogia “homens das minhas mulheres”

Alô, alô!

Como vocês estão? Semana passada fiz um post que deu muitas respostas positivas o App: Wattpad mostrou tantos leitores e ex- leitores do aplicativo que hoje resolvi compartilhar com vocês alguns dos livros que tenho na minha biblioteca virtual.

Eu queria dar atenção especial a trilogia dos “homens das minhas mulheres” porque os livros são simplesmente maravilhosos! Sério, o enredo é envolvente, os personagens são realistas, carismáticos e surpreendentes, e tudo tem seu início quando Dio está perdendo sua mulher para o divórcio.

Os livros completos estão disponíveis na Amazon mas você também pode ler pela versão do Wattpad! ♥ Aqui embaixo deixarei as sinopses mas aviso desde já: abaixem-se que lá vem tiro!

O PRÓXIMO HOMEM DA MINHA MULHER SOU EU

“Isso aqui não é uma história de dois adolescentes que se batem, mas no fundo se amam. Eu sou um pai de dois filhos, sou casado.

Esta aqui é sobre reconquistar a mesma mulher que você já meteu uma aliança no dedo, mas deixou escapá-la por entre eles. Ela se foi e você nem viu.

Esta vai para todos os cabaços que como eu, esqueceram-se que o amor não é um posto, é exercício. É um jogo de tentativa e erro com algumas regras pré-estabelecidas.

Aqui, o amor é outra coisa.

Não é à toa – Que os contos de fadas terminam no casamento e a ideia de “casamento perfeito” vem estampado num comercial de margarina.

Aqui, o amor é outra coisa.”

O ÚNICO HOMEM DA MINHA MULHER SOU EU

“(Livro do Lipe!) — Continuação de O Próximo Homem da Minha Mulher sou Eu!

Em tese, é como a mãe. Passou no ITA, bom no que faz, futuro Engenheiro Aeronáutico. Irmão do Guto, dois anos mais novo, e da Manu, uma menina lindinha que todo mundo viu nascer.

Na prática, é como o pai. Arruma a mesa no aniversário da mãe, a língua afiada caidinho por uma das primas. A História pode se repetir, ele pode se apaixonar por uma menina da capital e se esquecer da prima Mineira.

Ou, dessa vez, a Prima Mineira pode fisgar o coração desse menino urbano que nada tem que ver com mato. Das coisas que pode acontecer, a única que nós sabemos é de onde veio esse menino. Em que lar ele nasceu, em quais condições foi criado e quanto amor ele viu entre os pais.

A gente acha que não, mas amor a gente aprende de berço.

De resto, tudo fica para 2016.”

O ÚLTIMO HOMEM DA MINHA MULHER SOU EU

“O Último Homem da vida da Tia Fê é o Tio Digo.

O Último Homem da Vida da Vaca Megera é o Lipe.

Há mais um Ferreira. Foda-se o último Ferreira! Vida, bate mais forte que agora eu aguento!

Vida, bate mais forte que agora, meu maxilar é de aço!”

Eu realmente me entreguei a leitura porque vale muito à pena, e o terceiro livro foi o que mais me apaixonou, leiam, recomendem para as amigas, principalmente as que precisam ver como devem ser amadas hahaha Enfim, espero que vocês tenham gostado! Comentem aqui se vocês já conheciam e leram ou se curtiriam ler, ok?

E ah! Vou deixar o perfil da autora para vocês lerem mais obras dela aqui

Até uma próxima,

Jade Goulart

Papo Sério: Relacionamento abusivo

Já é noite aqui e boa parte das minhas ideias estão embaralhadas, às vezes temos dias cheios, momentos desgastantes e só precisamos parar para respirar e assim, enxergar que tudo tem uma solução e saída para coisas muito melhores. Esse post era para ser dividido em dois: um sobre amizade e outro sobre amor, mas a verdade absoluta é que em relacionamentos os dois estão entrelaçados e são complementares.

Quem me conhece sabe que eu tive um relacionamento longo, de anos e mais tarde, alguns “encontros” com pessoas que me fizeram muito bem e outras que também me fizeram muito mal, todos especiais e indispensáveis para meu amadurecimento, todos contendo momentos incríveis e brigas – assim como qualquer outro casal. Na minha história eu não mudaria nada.

Quem me conhece também sabe que há pouco tempo atrás estava em um momento delicado, algumas coisas vieram para me machucar pelo simples propósito de me fazer crescer e como consequência acabei me reencontrando com pessoas e tendo o apoio emocional de outras, eu vi que amigos estão lá mesmo quando você pensa que mais ninguém vai estar, pelo menos, aqueles que querem seu bem de verdade.

E talvez agora eu inicie o tema que nunca soube ao certo como começar por ser ramificado em diversas experiências, delicado ao extremo e já peço desculpas por abordar de forma tão simplista: relacionamentos abusivos.

Antes de qualquer afirmação: nunca quem é abusado pede para tal coisa acontecer em sua vida, muitos deles adquirem traumas depois de passar por x situações e o melhor que nós fazemos é não naturalizar e ter empatia pelo próximo.

Violência física, psicológica, ameaças implícitas e explícitas são pontos constantes nesse tipo de relacionamento, a vítima se afasta da família, dos amigos e com o tempo deixa de se reconhecer como ser individual, não é fácil, não é “drama” e é nosso dever social auxiliar quem estiver passando por isso, até porque muitas das vezes este não se enxerga como vítima. 

Como podemos reconhecer quem está passando por isso?

  • Reclusão
  • Dependência emocional para com o parceiro
  • Instabilidade emocional assim como queda na autoestima
  • Sinais de violência – psicológica e/ou física
  • Defesa a ações indefensáveis
  • Outros

E se você está passando por isso, saiba que a culpa não é sua, que amor é construído pelo bem querer, pelo cuidado, e que de maneira nenhuma você merece qualquer tipo de tratamento em que tenha que se submeter a algo ou alguém. Se você no início do relacionamento era alguém feliz e hoje sente que “murchou” e tem medo de expressar o que sente para seu parceiro, converse com alguém próximo.

Nós queremos o seu bem. Ninguém que te ame vai te tratar como as maneiras listadas acima, pense nisso.

Jade Goulart

Voltando aos 15

Alô, alô!

Como vocês estão, pessoal? Dia 14 completei meus 20 anos e vi como o tempo passa voando, não é? Cinco anos atrás eu tinha outra cabeça e agora quero relembrar com vocês o que mais curtia naquela época hahaha Sério, juro que vocês vão gostar e se identificar com algumas coisas e que não vai ser uma queimação de filme total hahaha

Bora lá:

Bandas

Eu não posso em um post juntar a infinidade de bandas que eu gosto até hoje, mas naquela época as três bandas que mais amava (e amo) são The Strokes, Arctic Monkeys e The Killers. E Strokes esse ano no Lolla foram sensacionais, né? Até hoje curto o som que eles produzem (mesmo que prefira as músicas do início). Vou deixar algumas delas para vocês escutarem:

Strokes

the-strokes

Reptilia • Juicebox • Heart in a Cage • Taken for a fool

Arctic Monkeys

tumblr_static_jvlqugz40zk088k80c8okogk.jpg

Why’d you only call me when you’re high? • Arabella • Fluorescent Adolescent • Teddy Picker

Killers

66bc4225

Mr. Brightside • Somebody told me • Human • When you were young

Redes Sociais

Vocês lembram do Orkut? Ah, bons tempos! Eu era ratinha de orkut e sempre mandava para as minhas amigas longos depoimentos abusando dos emoticons e cores, mudava o tema do perfil e aumentava constantemente a minha lista de comunidades como “não gosto de acordar cedo”! Bem no iníciozinho só podiam publicar 12 fotos e já naquele tempo, as meninas e meninos usavam o tão conhecido franjão HAHAHA

Tumblr: Deus no céu e tumblr na terra. Eu lembro bem que chegava da escola e me conectava direto lá para atualizar as fotos das minhas bandas favoritas. É, gente, eu amava!

E o nosso querido e falecido msn, quem nunca colocou a música na parte superior do perfil não sabe o que é mandar indireta “sutil” para o crush hahaha Meu primeiro namoro foi com meus 14/15 anos e eu SEMPRE mudava meu status bem apaixonado para o boy tomar conhecimento! Pena que a única rede que prevaleceu foi o tumblr, né?

Estilo

Como uma imagem vale mais do que mil palavras vou deixar para vocês algumas das roupas que usava bastante e o estilo que eu tinha, talvez isso seja queimação mas em minha defesa, estava na moda (e tá voltando novamente!) hahahaha

Mudanças da vida, não é mesmo?

Livros 

Vocês devem imaginar que eu estava na fase de vampiros, lobisomens e anjos. Acertaram! Ainda tenho uma queda por livros como Fallen (li a série completa) e afins, uma dose de magia não faz mal a ninguém, mesmo que hoje eu já prefira títulos românticos e até mais realísticos.

Pois é, gente, espero que vocês tenham gostado de relembrar um pouquinho essa fase tão gostosa! Para mim foi mais do que especial pelas amizades, bandas, meu primeiro relacionamento, vocês tiveram gostos parecidos com os meus? Foi diferente? Conta aqui!

Até uma próxima,

Jade Goulart