Alô, alô agosto! 

Alô, alô!

Como vocês estão, pessoal? Eu espero que bem, saudáveis, realizados e felizes hahahaha Ontem foi o último dia de julho e com ele nós dissemos um “tchauzinho” bem dolorido para as férias e por isso hoje eu fiz esse post bem rapidinho esperando emanar toda a positividade que conseguir para deixar o dia de vocês um pouco melhor.

Selecionei do Pinterest algumas frases motivacionais que eu gosto muito e sempre guardo comigo de diversos autores diferentes, alguns são sobre bem estar e outros bem feministas como eu – não posso negar hahaha Espero que gostem ❤

Ah! E recentemente o blog tem feito algumas quotes também, ó aqui:

Muitas dessas frases vem tomando conta do nosso Instagram, estamos apostando em uma nova cara e gostando muito dessa fase, se vocês não conhecem passem no @paposerioblog hahaha Bom ,é isso gente linda, espero que vocês tenham gostado bastante assim como eu!

Até uma próxima,

Jade Goulart

Anúncios

Eu acredito…em mim!

Nunca foi boa nas seguintes coisas: localização geográfica, controle das horas, não transparecer seus sentimentos e parar de escrever. Vez ou outra até conseguia realizar todos esses feitos ao mesmo tempo, escrevia qualquer nota em seu celular ou fazia listas de coisas que gostaria de fazer/ter/realizar, não prestava atenção no caminho, sempre tropeçando em alguém e assim, fazia suas caretas intermináveis, terminando por perder a hora marcada.

Era doce e tantas vezes colocava o sentimento de quem tinha carinho em primeiro lugar, cresceu no meio de livros, desenhos, histórias e magia – de lugares, de coisas e de pessoas – e seguia sua rotina feliz com o que viesse – tudo que era para ser teria sua hora.

Foi assim que em um dia, sem perceber, um vendaval a atingiu. Era tempo de mudança, tempo de se reescrever; as circunstâncias queriam assim e assim seria. Foi então que a época mais tortuosa da sua vida começou e também a sua melhor.

Vejam só, “quem caí sete vezes, levanta oito”, e ela cresceu a ponto de se tornar maior que seus sonhos, cresceu a ponto de querer o mundo e ser filha dele mesmo. Decidiu se aventurar mais, mergulhar na realidade da vida e na fantasia de seus contos, se apaixonar – por si e pelos outros – e desfazer dessa ideia boba de colocar sentimentos alheios acima dos seus.

Ela tinha alma de artista, era e é uma arte por si só. Quando queria lutava para conquistar e se iluminava mesmo com o que se pusesse em sua frente, tudo é aprendizado, vejam, ela merecia o mundo e conquistaria ele, como deve ser e será.

Jade Goulart

Papo Sério e Instagram: @mbottan

Alô, alô!

Como vocês estão, pessoal? Bom, há um tempo atrás escrevi um post que para mim ajudou bastante com a nossa aproximação, acho que o Papo Sério: Gorda foi um dos meus primeiros textos que senti confiança em expressar meu ponto de vista sobre um assunto tão recorrente na vida de tantas adolescentes e mulheres e foi bem gostoso saber que foi bem recebido por vocês.

É sempre bom e muito realizador ver que mesmo por meio da escrita nós podemos ajudar pessoas a se amarem mais e melhorarem o dia a dia, sempre espalhando amor – tanto ao próximo como o próprio – e hoje com esse mesmo pensamento eu venho mostrar um Instagram que tem essa mesma pegada; eu conheci por meio de uma blogueira que tem como foco principal a autoaceitação por meio dos cabelos – o trabalho dela é maravilhoso sem a menor dúvida – mas essa tem como foco a autoaceitação pelo corpo, ajudando muitas pessoas a superar transtornos alimentares com sua experiência.

Além de contar seu cotidiano, a Mirian também nos ajuda – não só meninas e meninos que tem esses tipos de transtornos mas também ao passar tanto conhecimento – com tirinhas engraçadas e leves. Eu espero que vocês adorem tanto quanto eu o perfil dela e espero que ela não se deixe abater por tantos comentários maliciosos que pessoas fazem.

 

As fotos foram retiradas do perfil pessoal da Mirian.

Só orgulho, não é? Hoje o post foi curtinho mas espero que vocês tenham gostado, o perfil dela é esse daqui: @mbottan

Até uma próxima,

Jade Goulart

Resenha: “O mínimo para viver” [SPOILER]

Alô, alô!

Como vocês estão, pessoal? Eu espero que muito bem e saudáveis! hahaha No dia 14 a Netflix estreou o filme “O mínimo para viver” ou “To the bone” que tem como foco principal a trajetória da Ellen, personagem da atriz Lily Collins, enfrentando a anorexia. Logo no início a vemos fazendo parte de um grupo de reabilitação onde uma das garotas critica o ideal de perfeição feminina que é vendido pelas lojas para meninas/mulheres e a protagonista ridiculariza esse discurso por não querer estar lá.

Durante o percorrer da trama a personagem é internada em uma casa com outros adolescentes tanto com anorexia quanto bulimia e é transmitido a falta de ambiente familiar estável em que ela cresceu, a falta de entendimento que sua irmã tem sobre o assunto em suas repetições de “é só comer” e a ausência de seu pai que em nenhum momento aparece no filme.

Ou seja, é reforçada a ideia de desequilíbrio tanto interno quanto externo a todo momento, principalmente quando mencionam a morte de uma seguidora do seu Tumblr em que era compartilhado seus desenhos sobre a doença.

Durante o período de internação vemos adolescentes em diferentes níveis, porém todo o enredo é passado de forma superficial e rápida, a doença não é tratada com a seriedade que realmente possuí, nós temos a impressão que essas mesmas pessoas estão bem ainda que doentes e logo no final, ela decide depois de um sonho que não quer mais continuar anoréxica, sem contar que não sabemos o destino de seus colegas.

O filme não é de um todo ruim, é comercial, eu fiquei desapontada pela falta de profundidade que os personagens foram tratados, assim como, vários temas de importância que poderiam ser abordados mas não foram. Eu daria 5.5 para ele porque o elenco é maravilhoso e querendo ou não, são poucas tramas que se “aventuram” em temas tão atuais e importantes.

Bom, é isso. Vocês já viram o filme? O que acharam? Comentem aqui.

Até uma próxima,

Jade Goulart

 

 

Papo Sério: Vamos nos amar mais?

Alô, alô!

No post que fiz semana passada (aqui) comentei com vocês que já há alguns dias peguei meu antigo diário para reler e me reconhecer através das loucuras que contava dos meus 13 aos 15 anos. Tenho que admitir que logo no início, nas primeiras páginas, eu ri muito com toda a dramaticidade que desempenhava em cada situação, sempre levando ao extremo da lírica e comparando constantemente a minha vida com um livro – é gente, com 13 anos eu vivia por metáforas.

Lá em 2010 e começo de 2011 eu tive meu primeiro amor, aqueles crushes pesados que não são correspondidos e que normalmente, em noventa por cento dos casos, são os seus amigos ou alguém muito bonito da sua turma – que na sua cabeça, você não teria chance ou estragaria a amizade – e no meu caso, o “boy dos sonhos” era meu amigo/cara bonito da sala.

E como todo ariano é transparente com seus sentimentos, eu não seria diferente, e já naquele tempo era óbvio que eu estava no famoso caso do “eu me apaixonei pela pessoa errada” hahaha para mim e para ele! Mas sempre pensava que eu era maravilhosa e se ele não via, o menino tinha sérios problemas de miopia.

O engraçado é que nessa idade, tanto os garotos como as meninas estão passando por uma fase de transição, mas eu sempre estive convicta que com uma frase motivacional de algum escritor ou trecho de série, não haveria bad que suportasse e até em determinado momento, escrevi algo parecido com isso aqui – já avisando que não está muito bom:

“A verdade é que quem ama respeita. Você tem que sempre procurar quem vai te fazer bem (…) Para que alguém goste de você, você tem que gostar de si própria. Você tem que ter suas vontades, seus confortos, seus direitos, seus deveres, sua opinião, ou seja, sua personalidade. Mude, cresça, faça amigos, erre, aprenda com seus erros, se apaixone, mude, mude de novo e de novo…” (2010, dezembro)

Tudo isso me fez pensar nas meninas e mulheres da minha idade e até um pouco mais velhas – o que eu posso falar agora pode se encaixar para homens também mas vou pôr no feminino – eu já vi tantas meninas se humilharem por um amor que já perdi as contas. Fiquei pensando em que momento nós passamos de confiantes a inseguras, ideologicamente e corporalmente, o momento em que deixamos de acreditar em nós.

Vejam, só nesse mês eu acompanhei quatro ou cinco casos de perto em que a mulher era maravilhosa – em todos os sentidos da palavra – mas seus parceiros as desmereciam ao ponto das mesmas ficarem desgostosas com a vida, se culparem por qualquer erro, se submeterem a qualquer coisa, para continuar ao lado do seu amor – e o mais triste, é que não é incomum.

Então mulherada, vamos nos amar mais? Eu tenho certeza que se você se priorizar, cuidar de si, fazer escolhas conscientes – sem a necessidade constante de querer agradar, as coisas só vão melhorar. Nós tendemos a atrair pessoas positivas quando estamos realizadas e amores tão grandes quanto nós mesmas. Afinal, por que quando criança nós tínhamos consciência de que merecíamos mais e agora, adultas, temos medo?

Todas nós somos mulherões da porra hahahaha Não é errado ter orgulho do seu reflexo no espelho, saber reconhecer quando o outro não te faz mais bem, vocês merecem muito mais.

Bom, é isso, eu espero que vocês tenham gostado do nosso papo.

Até uma próxima,

Jade Goulart

 

O que eu espero desse mês

Alô, alô!

Como vocês estão? Início do ano eu ensinei por aqui a fazer o Bullet Journal e se bem me lembro, logo no começo do processo uma das principais coisas que deveriam ser feitas era “você” ser sincero com o que esperava da agenda e de suas metas para esses 365 dias, e bem, eu esperava ser mais organizada na faculdade hahaha – tentei, gente

Mas conforme o tempo foi passando muitas coisas foram acontecendo, algumas eu compartilhei pelo blog com vocês e outras guardei para o meu crescimento pessoal, mas hoje, depois de tantas metas sendo realizadas e outras que ainda pretendo realizar, vendo tudo o que passei nesses meses – principalmente depois de maio – percebi que agora estou em uma fase de mudanças.

É engraçado ver como mudamos em tão pouco tempo, o mundo joga tantas informações a todo instante que fica impossível se tornar impassível ao que está acontecendo e nesse vai e vem de momentos eu decidi : hora de se transformar. Então aqui estou eu fazendo uma lista de coisas que quero realizar tanto para o meu interior quanto exterior – até dezembro #foconameta hahaha

  • Aprender a cozinhar 

Há tempos que fiz com a minha mãe o delicioso bolinho de chuva , a verdade é que sempre gostei de fazer doces na cozinha, então nunca foquei nos pratos salgados, mas fala sério, mesmo que o tempo seja super corrido pelo trabalho + faculdade a sensação de felicidade depois da comidinha pronta é indescritível, né? Aguardem que em breve haverá receitinhas aqui como prova que consegui aprender a cozinhar hahaha

  • Decoração em casa

É bem difícil entrar no Pinterest e não se inspirar, e já tem tempo que queria mudar o ambiente que me rodeia – talvez aconteça agora ou mais para frente – mas o que vem me prendendo ultimamente são os tons leves e as plantinhas. Vejam minha pastinha que tá sucesso!

  • Pintar o cabelo

Tirei meus piercings e fiz uma tatuagem, agora tô doida para pintar meus cachos de uma cor sóbria para essa nova fase e quem sabe fazer um corte moderninho – tô de olho no chanel. Eu já escrevi sobre aqui: cor nos cachos e corte para cachos.

  • Comprar roupas noventinha 

Também aceito presentes hahahaha

  • Juntar dinheiro para uma viagem 

No meu Instagram o que mais sigo são mochileiros, tenho uma lista de lugares para conhecer espalhados por esse mundão, o que vocês acham de um post especial indicando os instas e falando um pouco sobre cada país? Falem para mim ❤

  • Me tornar uma pessoa cada vez melhor

Aí, aí, gente, é isso, o que vocês acharam? Bem capaz que aumente minha lista com alguns desejos como aprender uma nova língua, começar um estágio legal na área de bacharel, comprar novos livros clássicos, ver filmes e documentários bons e talvez conhecer aquela pessoa hahaha Vocês têm alguma vontade para esse ano?

Até uma próxima,

Jade Goulart

Lista de você 

Coisas que eu adoro em você:

  • A cor de girassol que seu cabelo tem;
  • O jeito que sua pele se veste em vermelho quando fica sem graça;
  • A sua barba de cantor dos anos 90;
  • O quanto entra nas minhas loucuras românticas e promete serenatas de amor;
  • O seu lifestyle natureba que pinta de verde metade da sua conta do Instagram;
  • O jeito que me aconselha e se preocupa, mostrando seu lado protetor;
  •  Seu eterno “hm…” de quando está pensando e até o silêncio que faz quando quer me deixar falar e falar;
  • O quanto minha mão parece pequena dentro da sua e seu abraço demonstra ser acolhedor;
  • Seu sorriso contido de quem quer agradar mas fica tímido;
  •  O “eu quero fazer dar certo”, “estou do seu lado” e “quando essa tempestade passar…”;
  • Seu jeito “mais sentimental que eu?” – e também o quanto me faz sorrir só de pensar nisso;
  • Todas as coisas que eu ainda não conheço e até aquelas que eu posso vir a não gostar;
  • A maneira que faz eu me sentir especial só de pôr os olhos em mim e
  •  Como todas as listas parecem bobas e injustas a quem você é de verdade.

Sorte minha ter te encontrado bem no meio desse vendaval.

Jade Goulart

17 de abril de 2012

Alô, alô!

Como vocês estão, gente? Espero que muito bem e saudáveis hahaha Eu posso dizer que estou passando por uma fase muito grande de saudosismo e resolvi há alguns dias atrás reler meu diário de – nada mais, nada menos – sete anos. Gente, vocês não estão entendendo o “mix” de sentimentos que estou tendo ao relembrar de tantas coisas, uma hora eu rio dos meus comentários que fiz lá em 2010 quando tinha 13 anos e outra, choro porque são tantos fatos passados – e minha eterna propensão ao drama.

Em 2012 – título autoexplicativo – eu escrevi um poema para um amigo – mas nunca mostrei, olhem isso – que era meu namorado e hoje eu reli e quis comartilhar com vocês, talvez mais para frente se achar outros poemas que goste repita também com as datas originais. Então é isso, espero que gostem!

” 17 de abril de 2012

Hoje eu gostaria de estar com minha caixa de lembranças, aquela em que guardo cartas suas que sempre têm a distância como um ponto em comum. Eu certamente me deliciaria em cada palavra, cada verso seu, em busca de algum tipo de conforto.

Queria ler em seu poema palavras que dizem que me ama e espera o adentrar da noite por mim. Queria quebrar o muro existente entre nós e descansar em seus braços, poder rir e sentir a melodia que seu sorriso tem, ficar imitando sua voz em tom sínico, receber e dar beijos carinhosos, descobrir verdades constrangedoras, tornar meu mundo em nosso.

Queria correr até cansar, cair no chão e ter você junto a mim, andar na chuva, fingir que todo lugar é uma praia ou até ter uma boa briga para no final ouvir o reconfortante “te amo” e deslizar em seu abraço.

Com toda a certeza existente dentro do meu corpo e alma quero poder te ter de volta, poder te ver e ouvir seu “oi” por entre as escadas, te abraçar e sentir o seu fungar que sempre me diz qual é o meu cheiro.

Enfim, quero seu cheiro, beijo, sorriso e implicância de volta, para depois ler outras cartas perdidas suas…Quero coisas que me faz/nos faz uma falta enorme.

Eu quero tudo e mais um pouco, quero você junto a mim, quero para sempre e por completo.

Só quero você do meu lado.”

Jade Goulart.

ENEM, faculdade e minhas experiências

Alô, alô!

Como vocês estão, minha gente linda? Então, esse é um assunto que até agora não me pronunciei mas a minha colega @caroldavd deu um espetáculo com as suas experiências universitárias e aqui estou eu para falar sobre as minhas.

Quando fiz o ENEM em 2015 fiquei dividida entre veterinária e letras, quem passou por essa fase ou está passando sabe que surgem muitas dúvidas na nossa cabeça e são poucos os casos que a pessoa tem certeza sobre qual profissão seguir, então no final do ano eu optei por letras-literaturas na UFRJ e vi que o curso tinha tudo o que eu sempre quis.

Foi difícil porque eu moro em Maricá e a faculdade está no Fundão – no Rio – e pelo meu horário ser matutino, eu acordava – e ainda acordo – muito cedo para chegar às 07:30 no horário, quem estuda ou trabalha em cidades diferentes e principalmente depende de transporte público para se locomover sabe o quanto é cansativo essa “jornada” – ainda mais com o bate e volta diário hahaha

E logo no terceiro período eu quis ter como primeira experiência um estágio como mediadora de um menino autista, ainda hoje eu estou nesse trabalho que só me acrescenta como pessoa e também profissionalmente, mas não é fácil, por ser de tarde são poucas as horas que eu estudo por não ter uma moradia tão próxima assim.

Mas eu não me arrependo das minhas escolhas, o curso, a faculdade e o meu estágio me dão uma noção do quanto é satisfatório e lindo a profissão que eu carrego e sobretudo a importância que um professor tem na vida de cada aluno e o aprendizado que os mesmos com tão pouca idade podem transmitir.

Então, para os que estão começando ou passaram/passam por uma situação parecida comigo eu espero que tenham o melhor do que a vida universitária pode proporcionar, eu sei que é difícil e às vezes a batida fica tão pesada que dá vontade de desistir mas nós somos mais fortes.

E para os que estão querendo uma cadeira que a faculdade seja distante como a minha: calma, não se assustem, como eu disse é muito bom e satisfatório se encaixar naquilo que te faz feliz, as obrigações são o mínimo e a vivência é muito grande, é um outro universo e se vocês souberem aproveitar, sairão pessoas com uma bagagem maravilhosa por haver uma miscigenação de ideias nesse ambiente.

Então é isso, gente, eu espero que vocês tenham gostado e qualquer coisa comentem aqui embaixo que eu adoro responder vocês hahaha

Até uma próxima,

Jade Goulart

Calma, tudo bem ficar triste

Alô, alô!

Como vocês estão, gente? Então, eu não estou nada bem, hoje aconteceram algumas coisas que me deixaram para baixo e eu resolvi entrar no nosso cantinho para tentar dar a volta por cima e conversar com vocês que também estão na bad que é normal ficarmos tristes.

Final de período é aquela coisa: provas, estresse e a gente meio que deixa a saúde mental de lado, algumas horas a menos de sono “não vão fazer a menor diferença” e quando vemos haja briga com as amigas, namorado (a) e/ou família, sem contar aquele descuido que a gente dá pra nós mesmos, que faz falta e muita.

Foi meio nesse enredo que eu parei de prestar tanta atenção nas coisas que eu gostava. Sabe quando temos tantas responsabilidades ou queremos agradar outras pessoas que paramos de visar o que NÓS DESEJAMOS?  Pois é, foi aqui que me perdi – ou comecei a me perder – de mim mesma, sorte que agora estou notando e voltando a dar o devido amor a quem merece: eu.

Às vezes a ânsia é tanta para fazer tudo dar certo que não notamos que estamos nos deixando de lado por uma situação ou pessoa, mas é normal ficar triste, digo e repito, só caindo que se cresce e se aprende com o erro.

Porém a gente tenta dar a famosa volta por cima, não é? Então aqui estou eu com um conselho que talvez vocês gostem (ou não): uma coisa que aprendi com uma amiga é que ficamos confiantes quando estamos de bem, então, tire um tempo para se amar um pouquinho até virar hábito, repita qualidades no espelho que você tem (essas muito mais importantes do que o exterior, o que há no seu íntimo), se relacione com pessoas boas (às vezes murchamos por estar na companhia de gente tóxica), se aventure com locais novos, pessoas novas, músicas novas e faça algum gesto por si.

Vocês sabem: tudo é um processo. E eu prometo que vou fazer o possível para passar por esse marasmo e espero que vocês também; nada como um dia após o outro!

Até uma próxima,

Jade Goulart

 

Aerosmith, roupas, 90s e nossa volta

Alô, alô!

Como vocês estão, pessoal? Aqui estou eu em pleno final de período e início de férias para bombardear vocês de novidades com tudo o que aconteceu em maio e também junho! Eu e Carol não tivemos moleza e foi um sacrifício ficar tanto tempo fora do ar, sentimos muita falta do blog e decidimos que agora com esse respiro vamos compensar e passar para vocês o melhor que nossa família guardou nesses meses hahaha

Quem nos acompanha desde o início sabe que eu tenho um abismo por tudo o que se refere aos anos 90, mas de uns tempos pra cá senti uma necessidade maior de me expressar por forma das minhas roupas – antes mais puxadas para o lado romântico e hoje com uma pegada mais largadinha – e me baseei na trilogia do Aerosmith com a Alicia Silverstone e Liv Tyler – Crying, Amazing e Crazy – que são maravilhosas, e gente, usam cada roupa nesses clipes que só babando mesmo.

Então resolvi dividir esse post em dois temas: roupas íntimas e as normais mesmo hahaha E já adianto que todas as fotos foram retiradas do Pinterest e são usadas aqui como inspiração, espero que vocês gostem tanto quanto eu!

  • As normais

Fato é que mudei meu estilo sempre tão romântico, e como disse mais acima desviei do super produzido e fui direto para o casual com acessórios, o que mais gosto de usar são os jeans+jeans, jaquetas, botas, camisetas com estampa lisa e também as ciganinhas – que para ser bem sincera, não sei se são dos anos 90, mas uso hahaha – all star – que é difícil de sair do meu pé – cropped e peças “destroyed”. Tenho que admitir que ainda sou adepta aos vestidos principalmente no calor, mas hoje opto mais por modelos que concentram informação na costura do que em estampa.

 

  • Íntimas

Outro fato dessa vida é que tenho seios pequenos e até os 18 amava sutiãs com bojo mas achava desconfortável, acho que nunca sabia ao certo qual escolher e sempre comprava apertados ou largos com raras exceções, mas foi aos 20 com a volta da renda que decidi dar uma chance para os sem enchimento e depois disso migrei completamente hahaha Além de serem lindos, ficam super confortáveis no corpo.

E de quebra, dá uma ótima composição com peças com decote cavado sem ficar vulgar. Tudo de bom, né?

Bom, é isso, espero que vocês tenham gostado do meu estilo e das fotos também, me falem o que acharam, se curtem Aerosmith como eu, se têm crush pesado nelas hahahaha, e o que mais quiserem! É ótimo estar de volta!

Até uma próxima,

Jade Goulart.

Alguns amores são passageiros

Sempre fui boa com palavras, os estudos, as pessoas, mas não com você, no início tudo parecia caminhar tão bem, havia reciprocidade, parceria, amor, porém em algum momento tudo desandou, onde erramos? o que houve? Do nada o meu coração se encheu de dúvidas, o medo passou a me rodear e as incertezas fizeram morada no meu ser. Onde aquela segurança, alegria e paixão avassaladora se alojaram? Eu precisava recuperar tudo antes que fosse tarde demais. Pobre sonhadora, lutar sozinha é o mesmo que nadar contra a maré, é cansativo e causa perdida, fui avisada, todavia, além de cegar, o amor tem função de ensurdecer as pessoas, os conselhos entram por um ouvido e saem pelo outro, nos tornamos ” donos da verdade e amantes da razão “.
O que faria sem meu namorado, cheia de dúvidas e com todos aqueles ” você vai ficar bem ” que não resolvem? É simples, quando uma ” porrada da vida ” não soluciona, ela te envia outra, outra, outra e outra até que a gente entenda que alguns amores são passageiros e servirão de bagagem para outros. Amar não é depender emocionalmente de ninguém, temos que crescer com os nossos erros e não choramingar pelos cantos porque nosso ex está com outra. Acorde feliz, sinta-se bem, corte o cabelo, pinte, faça a unha, sinta-se mulher, não há nada melhor que se bastar e ser feliz sozinha.
Gosto de pensar que assim como nos filmes, posso me reencontrar com o ex, “anos-luz” mais madura e fazer dar certo ou posso conhecer um cara que vai me amar e cuidar de mim como mereço, não importa se for um médico ou um professor de história, eu só quero ser feliz, com ou sem uma grande paixão. O meu coração nunca vai rejeitar uma emoção porque o medo de sofrer não é suficiente para me impedir de ser tentar.
Como uma boa pisciana, vivo planejando o futuro e fiz questão de encaixá-lo em todos, quando o vi partir senti que ele levava um pedaço de mim. Incrível como o tempo clareia nossas visões, eu criei um lado seu que não existia e fantasiei situações que jamais irão se concretizar, como um cara inexistente poderia superar as minhas expectativas? Ou pelo menos alcançá-las? é pedir muito, eu sei. Por isso, espero que meu próximo amor seja leve, cheio de momentos únicos e alegres, quero ter a graça de sentir aquelas borboletas no estômago novamente e rir do nada ao lembrar das piadas internas, não almejo muito, apenas reciprocidade.