Papo Sério: o medo da ex. 

Alô, alô!

Como vocês estão, pessoal? Bom, tem um tempo que não escrevo e principalmente por isso quero pedir desculpas antes de começar com o texto de hoje, eu e a Carol estamos bastante atarefadas e por isso não conseguimos manter o ritmo e produzir conteúdos novos. Maio trouxe tantas experiências para nós duas que certamente quando voltarmos junto com a calmaria de posts diários, tudo vai dar bastante certo! Até lá pedimos que não desistam da gente! hahaha ❤️

Assunto pesado para início de conversa, não é? Não é a primeira vez que penso em abordar esse tema e talvez seja usado em mais textos: a raiva que temos de atuais e/ou ex dos (as) nossos (as) ex e/ou atuais se naturalizou e hoje espalhamos ódio gratuito imperceptivelmente.

Tornou-se comum, e vou usar casos de relacionamentos entre homens e mulheres, a atual não gostar da ex e vice-versa, mesmo não conhecendo a pessoa ou sabendo a verdade que ela possuí; Está tão incutido no nosso subconsciente que somente quando questionados nós (talvez) vemos que estamos cometendo uma injustiça ou piorando uma situação.

Quando uma ou mais mulheres não seguem o padrão transformam-se em capa de revistas, como o caso da atriz que tirou uma foto e as duas ex esposas de seu marido a curtiram. E isso deveria ser considerado um absurdo, porque nós não podemos ceder a um tipo de sistema tão cruel com o próximo e ainda assim, ajudar a perpetuar.

O mais difícil é sair desse ciclo, seria hipocrisia minha não admitir que quando mais nova não falei mal das exs de quem pertencia a minha vida naquele momento, e parte disso é gerado por uma insegurança de ser trocado, mas por graça ou desgraça, essa mesma pessoa tem um gosto parecido com o meu e viveu momentos que ajudaram no amadurecimento pessoal de quem eu estava, assim como, eu também vivi – o que é normal, todos, sem exceção, têm um passado.

Então, para quê, ver só um lado? Talvez desmerecer uma pessoa por histórias que ela, na maioria dos casos, não pode confirmar por medo ou insegurança ou ciúmes?

Nós como sociedade estamos tão acostumados a pôr a culpa e responsabilidade em cima das mulheres que muitas vezes, viramos uma contra a outra, sem necessidade.

Bom, hoje eu só quis levar um papo com vocês e tentar chamar atenção a uma coisa que prejudica e muito nossas relações sociais, espero que tenham gostado e comentem, por favor, se vocês concordam ou têm alguma divergência.

Até uma próxima,

Jade Goulart.

Papo Sério: Gorda

Alô, alô!

Ontem de noite, depois de fazer um pouco de exercício, resolvi pesquisar a palavra “gorda”. Fiz isso porque há um tempo, coisa não muito distante, minha relação com meu próprio corpo não era uma das melhores e não sei, acho que queria ver resultados de meninas com peso x mostrando como é se amar. Mas não vi.

O que eu vi me deu tristeza, quando você procura por “gorda” no Tumblr vê uma ou outra mensagem de meninas se empoderando enquanto o restante são queixas. Eu senti muita falta de meninas que passaram por situações parecidas com a que eu passei e que hoje servem de exemplo para outras.

Mas pelo que você passou? Passei por uma fase da minha vida em que eu me sentia insuficiente por não gostar de quem eu era, começou com meu corpo, o ganho de uns quilinhos a mais, depois foi para o meu cabelo, naturalmente enrolado, e quando dei por mim, não existia mais confiança e eu tinha vergonha de me achar bonita, ver qualidades em quem eu era, até sair de casa.

E para o que veio depois, para o que eu me tornei, para o que eu sou agora, não tem fórmula secreta, não tem esquema ou passo a passo, cada pessoa acaba achando seu amor próprio em coisas que trazem satisfação pessoal e comigo, foi quando eu comecei a caminhar e entrei na faculdade. Mas para outras pessoas pode ser pintar, escrever, fazer uma luta, conversar, enfim, um infinito de possibilidades.

Eu gosto de pensar que para cada situação sempre existe um recomeço, um novo ponto de partida. Mas afinal, ser gorda é ruim? Um dia vi uma youtuber fazendo essa mesma pergunta e a resposta é transparente: não, não é quando se tem saúde. Hoje em dia mesmo ganhando alguns quilos e com mais curvas eu me sinto autossuficiente para sair do jeito que eu bem entender; gostar de si é consequência de uma história que tem de tudo para ser linda.

Além do quê, gorda é um adjetivo, assim como magra. Um adjetivo não define um complexo que compõe uma pessoa e se é para definir que sejam por adjetivos como inteligente, engraçado, carismático, altruísta, gentil, amável, o que melhor se encaixar.

Até uma próxima,

Jade Goulart

Papo Sério: Relacionamento abusivo

Já é noite aqui e boa parte das minhas ideias estão embaralhadas, às vezes temos dias cheios, momentos desgastantes e só precisamos parar para respirar e assim, enxergar que tudo tem uma solução e saída para coisas muito melhores. Esse post era para ser dividido em dois: um sobre amizade e outro sobre amor, mas a verdade absoluta é que em relacionamentos os dois estão entrelaçados e são complementares.

Quem me conhece sabe que eu tive um relacionamento longo, de anos e mais tarde, alguns “encontros” com pessoas que me fizeram muito bem e outras que também me fizeram muito mal, todos especiais e indispensáveis para meu amadurecimento, todos contendo momentos incríveis e brigas – assim como qualquer outro casal. Na minha história eu não mudaria nada.

Quem me conhece também sabe que há pouco tempo atrás estava em um momento delicado, algumas coisas vieram para me machucar pelo simples propósito de me fazer crescer e como consequência acabei me reencontrando com pessoas e tendo o apoio emocional de outras, eu vi que amigos estão lá mesmo quando você pensa que mais ninguém vai estar, pelo menos, aqueles que querem seu bem de verdade.

E talvez agora eu inicie o tema que nunca soube ao certo como começar por ser ramificado em diversas experiências, delicado ao extremo e já peço desculpas por abordar de forma tão simplista: relacionamentos abusivos.

Antes de qualquer afirmação: nunca quem é abusado pede para tal coisa acontecer em sua vida, muitos deles adquirem traumas depois de passar por x situações e o melhor que nós fazemos é não naturalizar e ter empatia pelo próximo.

Violência física, psicológica, ameaças implícitas e explícitas são pontos constantes nesse tipo de relacionamento, a vítima se afasta da família, dos amigos e com o tempo deixa de se reconhecer como ser individual, não é fácil, não é “drama” e é nosso dever social auxiliar quem estiver passando por isso, até porque muitas das vezes este não se enxerga como vítima. 

Como podemos reconhecer quem está passando por isso?

  • Reclusão
  • Dependência emocional para com o parceiro
  • Instabilidade emocional assim como queda na autoestima
  • Sinais de violência – psicológica e/ou física
  • Defesa a ações indefensáveis
  • Outros

E se você está passando por isso, saiba que a culpa não é sua, que amor é construído pelo bem querer, pelo cuidado, e que de maneira nenhuma você merece qualquer tipo de tratamento em que tenha que se submeter a algo ou alguém. Se você no início do relacionamento era alguém feliz e hoje sente que “murchou” e tem medo de expressar o que sente para seu parceiro, converse com alguém próximo.

Nós queremos o seu bem. Ninguém que te ame vai te tratar como as maneiras listadas acima, pense nisso.

Jade Goulart